Mulheres Mil

Mulheres Mil


 

O que é ?

A execução do Programa Nacional Mulheres Mil foi Instituído pela Portaria do MEC nº 1.015, de 21 de julho de 2011, publicada no Diário Oficial da União, em 26 de julho de 2011. O Programa oportuniza a qualificação profissional e estimula o acréscimo da escolaridade visando à diminuição de problemas sociais em comunidades de baixo índice de desenvolvimento humano, bem como contribui com a ampliação da formação de profissionais para os mais diversos setores. Com a criação da Lei Nº 11.892/2008 que institui a Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica e cria os Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia o Programa Mulheres Mil vem de encontro à missão dessa instituição que é promover uma educação inclusiva a uma parte da população, tradicionalmente, afastada da possibilidade do conhecimento técnico e inovador. Assim, a partir de 2011, o Programa Mulheres Mil passa a integrar o Plano Brasil Sem Miséria e sua oferta é estendida a todos os Estados Brasileiros através da SETEC/MEC. Com a meta de qualificar 100.000 (cem mil) mulheres até o fim de 2014, o governo brasileiro tem oportunizado por meio do Programa Mulheres Mil a formação profissional e incentivado o aumento da escolaridade de mulheres com idade de 16 a 70 anos, dentro dos Institutos Federais. Nesse sentido, por está em consonância com a política inclusiva e com o desenvolvimento da região, o Instituto Federal de Ciência e Tecnologia do Pará – IFPA, desde 2011, promove a oferta do Programa Mulheres Mil. Essa oferta iniciou-se por quatro Campi Abaetetuba, Altamira, Conceição do Araguaia e Breves. Em 2012, mais quatro Campi aderiram a Chamada Publica da SETEC/MEC e se uniram a oferta do Programa: Itaituba, Santarém, Rural Marabá e Tucurui. Em 2013, com a entrada do Programa Mulheres Mil na Bolsa Formação Trabalhador, a oferta de estendeu aos doze Campi do IFPA, presente em todas as regiões do Estado do Pará. O objetivo do IFPA é alcançar um número considerável de mulheres através do Programa, e assim, contribuir para a emancipação das mulheres em vários aspectos, por acreditar, que por meio da educação, realiza-se a promoção social e melhoria da qualidade de vida dos indivíduos. Assim esse documento é uma possibilidade concreta de transformação e intervenção na vida da mulher assumindo uma dimensão que se reflete na formação pessoal, qualificação profissional e configura-se como uma ação sócio-educativa com forte impacto social.